ULISSES SANTOS: Inter 1×3 Flamengo, jogo atípico e resultado esperado

Em noite abençoada pelo Sobrenatural de Almeida, repleta de momentos atípicos, Inter sofre nova derrota fora de casa. Desta vez para o Flamengo.

Até a partida anterior, eu havia me reservado a apenas publicar texto a respeito de vitórias coloradas. Para ler a coluna anterior, clique aqui. Porém, o que ocorreu foi um jogo atípico entre Inter e Flamengo resultando em mais uma derrota colorada fora de casa. Foi tudo muito diferente o ocorrido no Macaranã.  Foi o verdadeiro Ponto Fora da Curva.

Atualmente, uma partida contra o Flamengo nas CNTP – Condições Normais de Temperatura e Pressão – teriam como resultado uma esperada vitória rubronegra. Numa partida como a de ontem então, nem se fala. É torcer para que o jogo termine logo.

PRIMEIRO TEMPO

A normalidade passou longe do Estádio Mário Filho na noite de ontem. Além da escalação colorada já indicar a tradicional predileção por “garantir 1 ponto fora” ocorre a lesão de Rodrigo Moledo no começo da partida, forçando Odair Hellmann a fazer a primeira troca e colocar Klaus em seu lugar.

Logo aos 14 minutos em uma escapada Gabigol entra na área colorada, passa por Marcelo Lomba é deslocado pelo lateral Bruno, mas não cai, segue na jogada e não marca o gol. Ato contínuo: o juiz Paulo César de Oliveira aponta para a marca da cal. Em seguida dá o cartão amarelo ao lateral colorado. Porém, logo a seguir vai mais uma vez ao encontro do jogador colorado, retira o cartão para dar o vermelho. Gabigol cobra: 1 a 0.

O gol flamenguista tirou o time colorado do prumo que pouco ou nada fez no ataque durante o primeiro tempo. O único lance colorado foi um pênalti reclamado pelo Paolo Guerrero. E o lance foi tão parecido com o ocorrido na área colorada que marcar penalidade em apenas um deles é o famoso “dois pesos e duas medidas”.

Antes do intervalo, Guerrero se envolve em um bate-boca com o juiz que decide por expulsa-lo.  O Inter iria para o intervalo com dois jogadores a menos.

SEGUNDO TEMPO

O Inter começa no ataque a etapa final e este ímpeto acaba por dar resultado.  Patrick insiste em jogada na linha de fundo contra William Arão, toca para Rodrigo Lindoso que, já dentro da área rubronegra, toca a bola para a meia-lua onde encontra Edenílson que bate de primeira para vencer o goleiro Diego Alves: 1 a 1.

Edenilson bate de primeira no canto da goleira rubronegra pra empatar o jogo

Aquele empate causou um certo abalo na confiança do time carioca. Mas, este efeito durou pouco. O time do ninho do urubu está numa vibe que parece tornar tudo mais fácil para seus jogadores. Em um ataque seguinte, uma bola erguida para área colorada encontraria Arrascaeta atrás da zaga que, ao ver o goleiro Marcelo Lomba em dúvida se saia ou ficava, teve tempo para cabecear e coloca-la no fundo das redes: 2 a 1.

 

Guerrero, enquanto esteve em campo, fez o que pôde contra a defesa do Flamengo

Deste momento em diante a preocupação era com o tempo de jogo. Sinceramente, que passasse o mais depressa possível para que acabasse o quanto antes e evitar o pior numa noite que iniciara com ares trágicos.

Em determinado momento da partida, especialmente os últimos vinte minutos parecia que era “ataque contra defesa” e o risco de uma goleada histórica permaneceu até o fim da partida. Em um outro ataque rápido, o excelente Bruno Henrique completo um passe na pequena área colorada: 3 a 1.

Para ver os piores momentos do jogo, clique aqui.

Agora que o Inter tem apenas o Brasileirão é razoável que sejam utilizados cada vez mais os jogadores da base.  É fundamental que o time colorado seja rejuvenescido, remoçado.

A reação deverá acontecer em casa, no próximo domingo, às 16h contra o Palmeiras. Todos e todas ao  Beira-Rio.

Saudações Coloradas,

Ulisses B. dos Santos.

@prof_colorado

Crédito das Imagens: Ricardo Duarte (site oficial do Sport Club Internacional)

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa Cookies para aperfeiçoar a experiência dos leitores. Aceita continuar? Aceito Ler mais sobre isso