Presidente do Fluminense cobra postura de TJD-RJ sobre gritos homofóbicos da torcida do Flamengo

Alvo de Mário Bittencourt é André Valentim, representante maior do Tribunal Desportivo do Ro

Diferente do que fez no primeiro clássico entre ambos, quando denunciou o Fluminense, que acabou sendo apenas advertido, por conta do gritos proferidos pela sua torcida (“Time de Assassinos”), o presidente do Tribunal de Justiça Desportiva do Rio de Janeiro, André Valentim, até o momento, não ofereceu qualquer denúncia ao Flamengo devido aos cânticos homofóbicos vindo dos rubro-negros, tanto torcedores quanto funcionários da TV oficial do clube da Gávea, no encontro da última quarta, no Maracanã, válido pelas semifinais da Taça Guanabara, primeiro turno do Campeonato Carioca. Essa postura irritou bastante a Mário Bittencourt. Usando a sua conta no Instagram, o mandatário tricolor cobrou tratamento igual por parte do jurista.

“No primeiro Fla x Flu do estadual, nossa torcida entoou cânticos caluniosos na arquibancada e prontamente o Fluminense se manifestou de forma contrária repreendendo a atitude. Mesmo assim, com o caráter educativo de nossa medida, o Procurador do TJD-RJ apresentou denúncia objetivando nos punir. Na ocasião o competente Presidente do TJD, Dr. Marcelo Juca, fez uma postagem dizendo que não via motivos para denunciar o Fluminense, mas mesmo assim o procurador (que age de forma independente dos auditores e do presidente – importante ficar claro) fez a denúncia contra nosso clube. Naquele mesmo jogo a torcida do Flamengo praticou atos homofóbicos, mas segundo informações, André Valentim não “ouviu” os gritos da torcida do seu clube de coração. No jogo de ontem, a torcida do Flamengo e alguns funcionários do clube entoaram novamente cânticos homofóbicos e, pelo que se percebe, nosso procurador foi ao jogo novamente com os ouvidos tapados”, dizia parte da nota.

A postura diferente de André Valentim e de alguns membros do TJD-RJ foi revelada pela jornalista Gabriela Moreira, através de seu blog no portal Globoesporte. Na continuação da publicação no Instagram, Mário fez questão de agradecera  postura do Flamengo ( por nota, criticou a atitude de seus torcedores e funcionários da TV), mas voltou a pedir uma atitude igual por parte de Andrè Valentim.

” Louvável a atitude da diretoria Rubro Negra em anunciar medidas contra seus funcionários e esperemos que o faça em relação à torcida, mas vejam que o caso é exatamente o mesmo que o nosso, do primeiro jogo. Apenas mais grave, já que as ofensas vieram também de funcionários.– E aí Valentim? Vai prevaricar?”, continuou.

Mário Bittencourt lembrou ainda que, conforme diz o artigo 319 do CBJD (Código Brasileiro de Justiça Desportiva), “deixar de praticar ato de ofício, por interesse pessoal ou para favorecer ou prejudicar outrem ou praticá-lo, para os mesmos fins, com abuso de poder ou excesso de autoridade.”, apresenta, como alternativas de pena, multa, de R$ 100 a 100 mil, suspensão de 120 a 360 dias e, havendo reincindência, eliminação do torneio.

Dentro de campo, o Flamengo levou a melhor e assegurou a  presença na decisão da Taça Guanabara com uma vitória por 3 a 2. O adversário rubro-negro sairá do confronto do próximo domingo, às 16 horas (de Brasília), no Elcyr Resende, em Bacaxá, entre Boavista e Volta Redonda.

Já o Fluminense só pensa, a partir de agora, no duelo de volta da primeira fase da Coa Sul-Americana. Na terça, às 19h15 (de Brasília), o Tricolor, depois do 1 a 1 na ida, no Maracanã, precisa de, pelo menos, empates a partir de 2 a 2 para eliminar, no Chile, o Union La Calera.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa Cookies para aperfeiçoar a experiência dos leitores. Aceita continuar? Aceito Ler mais sobre isso

Políticas de privacidade e Cookies