Para Justiça, documento que poderia ter evitado queda do Inter é verdadeiro

Internacional havia apresentado documentos como prova solicitando retirada dos pontos do Vitória por uso indevido do Zagueiro Victor Ramos.

1

Segundo o site Folha de São Paulo a justiça de São Paulo absolveu o empresário Francisco Antunes Ferreira, no processo em que ele era acusado de ter adulterado a troca de emails ente o Vitória e a CBF no caso Victor Ramos em 2016. O documento havia sido apresentado ao STJD pelo Inter, que pedia a retirada de pontos do Vitória por conta da escalação irregular de Victor Ramos foi considerado verdadeiro.
Na oportunidade, a CBF acusou o colorado de apresentar documentos falsos, alegando adulteração na troca de Emails. O colorado havia relatado que conseguiu os documentos com Francisco Antunes, empresário de Victor Ramos.
Victor Ramos pertencia ao Monterrey do México, foi emprestado ao Palmeiras e após ao Vitória. No entanto, o empréstimo ao clube baiano ocorreu fora da janela de transferências internacional, estabelecido pela CBF, o que é ilegal.
Na troca de documentos, o diretor de registros da CBF Reynaldo Buzzoni avisa o diretor do Vitória Anderson Barros da necessidade de registrar a transferência como internacional, o que não foi feito pelo clube baiano.
O site Folha de São Paulo também informa que a juíza Luciana Piovesan corrobora tese de que o Vitória teria de apresentar o certificado de transferência internacional para usar o jogador no Campeonato Brasileiro daquele ano e que, portanto, atuou com o atleta em situação irregular.
“É bem evidenciado pelo conteúdo das mensagens trocadas que a transferência do atleta se daria com observância das regras para transferência internacional”, escreveu a juíza Luciana Piovesan, da 27ª vara criminal de São Paulo. O Ministério Público, responsável pela ação, não recorreu.
“A supressão dos cabeçalhos, poucas palavras, nomes e frases, não fez alterada a compreensão da situação do atleta, não causando qualquer dano a quem quer que seja”, decidiu a juíza Luciana Piovesan.
O advogado Gustavo Francez, que defendeu o empresário, fez pedido para que o processo fosse julgado em São Paulo, onde reside o empresário, e não no Rio de Janeiro. Foi atendido.
“Não ocorreu nenhuma mudança na essência da mensagem. A transferência, de acordo com o representante da CBF, deveria ter sido de natureza internacional”, apontou.
Procurada pela Folha de São Paulo, a assessoria de imprensa do Vitória avisou que o presidente Ricardo David não comentaria o assunto.
Já o Internacional afirmou que vai deixar o assunto para trás.
“Não surpreende. Confirma a correção da tese que sempre defendemos. Mas, para o Inter, esse assunto está encerrado. Nosso foco é a conquista do título brasileiro”, apontou Gustavo Juchem, vice-presidente jurídico do clube, hoje na segunda colocação da Série A, a três pontos do líder Palmeiras.
O clube havia sido multado pelo STJD por conta do episódio em R$ 720 mil, mas mesmo assim não vai pedir indenização no caso.

1 comentário
  1. CLeuza Diz

    Tem que ir pedir indenização sim…..retratação da imprensa que deitaram e rolaram em cima do Inter. Como não???? Dizer que haviam falsificado documentos e um monte de coisas. Servimos de capacho,fomos debochados pelas pessoas ,pela imprensa suja….. Não me conformo que o clube vai deixar por isso mesmo….E a multa???Aff!!!!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa Cookies para aperfeiçoar a experiência dos leitores. Aceita continuar? Aceito Ler: Política de privacidade e cookies