CBF envia carta para Conmebool pedindo providências sobre expulsão absurda de Dedé

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) divulgou nota oficial na noite desta quinta-feira cobrando providências da Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL) após a expulsão injusta do zagueiro Dedé, do Cruzeiro, no jogo dessa quarta-feira contra o Boca Juniors. O defensor recebeu cartão vermelho do árbitro paraguaio Eber Aquino por causa de um choque acidental com o goleiro argentino Esteban Andrada. Com um jogador a menos, o time celeste, que já perdia por 1 a 0, levou o segundo gol e acabou derrotado por 2 a 0, na Bombonera, em Buenos Aires. Agora, para avançar às semifinais no tempo normal, será obrigado a vencer no Mineirão por pelo menos três gols de diferença.


No documento assinado por Rogério Caboclo, diretor-executivo de gestão da CBF, há destaque para o fato de Eber Aquino ter interpretado a dividida de maneira equivocada ao consultar o Sistema de Assistência Arbitral por Vídeo (VAR, na sigla em inglês). A entidade máxima do futebol brasileiro ainda considerou a ação “fora do protocolo de utilização da referida tecnologia” e exigiu justiça por parte da Conmebol em relação ao prejuízo causado ao Cruzeiro pela expulsão de Dedé. O destinatário da carta é Alejandro Dominguez, presidente da Confederação Sul-Americana.
Dominguez, aliás, recebeu nesta quinta-feira três representantes da diretoria do Cruzeiro: o presidente Wagner Pires de Sá, o vice-presidente jurídico Fabiano de Oliveira Costa e o supervisor administrativo Benecy Queiroz. O clube celeste solicitou a anulação do cartão vermelho mostrado a Dedé, com o objetivo de contar com o atleta no duelo de volta, dia 4 de outubro (quinta-feira), às 21h45, no Mineirão. Não há, por ora, prazo para resposta, mas a cúpula cruzeirense espera uma posição o mais breve possível.
“Fiquei bastante satisfeito pela maneira com que fomos recebidos na Conmebol. Estamos indignados com tudo o que aconteceu ontem na Bombonera. Não podemos admitir que a decisão pessoal de um árbitro coloque em xeque um sistema tão avançado como o VAR, que vem para contribuir com os avanços do futebol mundial”, destacou Wagner Pires de Sá, que também informou ter recebido apoio da CBF no pleito do Cruzeiro.
No documento assinado por Rogério Caboclo, diretor-executivo de gestão da CBF, há destaque para o fato de Eber Aquino ter interpretado a dividida de maneira equivocada ao consultar o Sistema de Assistência Arbitral por Vídeo (VAR, na sigla em inglês). A entidade máxima do futebol brasileiro ainda considerou a ação “fora do protocolo de utilização da referida tecnologia” e exigiu justiça por parte da Conmebol em relação ao prejuízo causado ao Cruzeiro pela expulsão de Dedé. O destinatário da carta é Alejandro Dominguez, presidente da Confederação Sul-Americana.
Dominguez, aliás, recebeu nesta quinta-feira três representantes da diretoria do Cruzeiro: o presidente Wagner Pires de Sá, o vice-presidente jurídico Fabiano de Oliveira Costa e o supervisor administrativo Benecy Queiroz. O clube celeste solicitou a anulação do cartão vermelho mostrado a Dedé, com o objetivo de contar com o atleta no duelo de volta, dia 4 de outubro (quinta-feira), às 21h45, no Mineirão. Não há, por ora, prazo para resposta, mas a cúpula cruzeirense espera uma posição o mais breve possível.
“Fiquei bastante satisfeito pela maneira com que fomos recebidos na Conmebol. Estamos indignados com tudo o que aconteceu ontem na Bombonera. Não podemos admitir que a decisão pessoal de um árbitro coloque em xeque um sistema tão avançado como o VAR, que vem para contribuir com os avanços do futebol mundial”, destacou Wagner Pires de Sá, que também informou ter recebido apoio da CBF no pleito do Cruzeiro.

LEIA A NOTA DA CBF NA ÍNTEGRA:

Rio de Janeiro, 20 de setembro de 2018.
Ofício nº 406/2018
Ilmo Sr. Alejandro Domínguez,
Presidente da Confederação Sul-Americana de Futebol – CONMEBOL
Luque – Paraguai
Ref.: Desempenho da arbitragem na partida das quartas de final da Copa Libertadores da América entre Cruzeiro Esporte Clube e Club Atlético Boca Juniors
Senhor Presidente,
A partida disputada entre Cruzeiro Esporte Clube e o Club Atlético Boca Juniors em 19/9/2018, pelas quartas de final da Copa Libertadores da América, infelizmente foi marcada por um grave erro de arbitragem. O atleta Dedé foi expulso injustamente pelo árbitro paraguaio Eber Aquino, após um choque involuntário com o atleta Esteban Andrada.
Como agravante, a injusta expulsão aconteceu após consulta ao Sistema de Assistência Arbitral por Vídeo (VAR), o que ocorreu de forma irregular e fora do protocolo de utilização da referida tecnologia.
A CBF registra seu inconformismo com a decisão da arbitragem e solicita que a Conmebol, valendo-se de suas instâncias funcionais, tome todas as providências cabíveis no sentido de fazer justiça em relação ao dano causado ao Cruzeiro Esporte Clube e ao atleta. Sugere ainda que uma investigação seja aberta pela Conmebol para completa apuração do ocorrido em relação à indevida intervenção do VAR neste episódio, dando
transparência à decisão do árbitro no momento do lance.
A CBF faz isso não apenas no cumprimento do dever de apoiar sua agremiação filiada, mas no interesse de proteger a credibilidade do Sistema de Assistência Arbitral por Vídeo. O VAR é uma ferramenta fundamental para a melhoria do nosso futebol, mas para isso precisa da confiança das entidades, atletas, agremiações e torcedores. Isso só acontecerá se erros como o ocorrido na partida de ontem forem prontamente reconhecidos e corrigidos.
A CBF reconhece os grandes progressos de sua gestão à frente da Conmebol, notoriamente em relação a modernidade e transparência administrativa. Por isso, está confiante que serão adotadas as necessárias providências em relação aos fatos em questão.
No aguardo de sua manifestação, subscrevemo-nos.

Atenciosamente,

Rogério Caboclo
Diretor Executivo de Gestão

Através da Matéria do site mg.superesportes

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.

Este site usa Cookies para aperfeiçoar a experiência dos leitores. Aceita continuar? Aceito Ler: Política de privacidade e cookies